terça-feira, 14 de outubro de 2008

Ela passou rapidamente da cozinha para a sala, sentou-se e apoiou seus braços na mesa. Uma das mãos segurava trêmula um cigarro na ponta dos dedos, a outra apoiava a testa. Dava para sentir o turbilhão de pensamentos que saltava pelos seus olhos. Comecei a ficar desconfortável, não sabia o que fazer. Sem que eu esperasse a porta se abriu, rapidamente ela pegou a faca...

Intervalo comercial.

- Droga! - pensei.
Desliguei a televisão e fui dormir.

zé silva.

2 comentários:

jor_poetasc disse...

vende a tv jaime.

Jaime José Silva disse...

Não dá, ela me ajuda a analizar as bizarrices.